L Liturgia

Liturgia de 14 de janeiro de 2018

DOMINGO DA II SEMANA DO TEMPO COMUM
(verde, glória, creio - II semana do saltério)

Antífona da entrada

- Que toda a terra se prostre diante de vós, ó Deus, e cante louvores ao vosso nome, Deus altíssimo! (Sl 65,4)

Oração do dia

- Deus eterno e todo-poderoso, que governais o céu e a terra, escutai com bondade as preces do vosso povo e dai ao nosso tempo a vossa paz. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: 1 Sm 3, 3-10.19


- Leitura do Primeiro Livro de Samuel: Naqueles dias, 3bSamuel estava dormindo no templo do Senhor, onde se encontrava a arca de Deus.

4Então o Senhor chamou: “Samuel, Samuel!” Ele respondeu: “Estou aqui”.

5E correu para junto de Eli e disse: “Tu me chamaste, aqui estou”. Eli respondeu: “Eu não te chamei. Volta a dormir!” E ele foi deitar-se.

6O Senhor chamou de novo: “Samuel, Samuel!” E Samuel levantou-se, foi ter com Eli e disse: “Tu me chamaste, aqui estou”. Ele respondeu: “Não te chamei, meu filho. Volta a dormir!” 7Samuel ainda não conhecia o Senhor, pois, até então, a palavra do Senhor não se lhe tinha manifestado. 8O Senhor chamou pela terceira vez: “Samuel, Samuel!” Ele levantou-se, foi para junto de Eli e disse: “Tu me chamaste, aqui estou”. Eli compreendeu que era o Senhor que estava chamando o menino. 9Então disse a Samuel: “Volta a deitar-te e, se alguém te chamar, responderás: ‘Senhor, fala, que teu servo escuta!’” E Samuel voltou ao seu lugar para dormir. 10O Senhor veio, pôs-se junto dele e chamou-o como das outras vezes: “Samuel, Samuel!” E ele respondeu: “Fala, que teu servo escuta”. 19Samuel crescia, e o Senhor estava com ele. E não deixava cair por terra nenhuma de suas palavras.

- Palavra do Senhor.  

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial: Sl 40,2.4ab.7-8a.8b-9.10 (R: 8a.9a)

- Eu disse: "Eis que venho, Senhor!" Com prazer faço a vossa vontade.

R: Eu disse: "Eis que venho, Senhor!" Com prazer faço a vossa vontade.

 

- Esperando, esperei no Senhor, e, inclinando-se, ouviu meu clamor. Canto novo ele pôs em meus lábios, um poema em louvor ao Senhor.

R: Eu disse: "Eis que venho, Senhor!" Com prazer faço a vossa vontade.

 

- Sacrifício e oblação não quisestes, mas abristes, Senhor, meus ouvidos; não pedistes ofertas nem vítimas, holocaustos por nossos pecados.

R: Eu disse: "Eis que venho, Senhor!" Com prazer faço a vossa vontade.

 

- E então eu vos disse: "Eis que venho!" Sobre mim está escrito no livro: "Com prazer faço a vossa vontade, guardo em meu coração vossa lei!"

R: Eu disse: "Eis que venho, Senhor!" Com prazer faço a vossa vontade.

 

- Boas-novas de vossa justiça anunciarei numa grande assembleia; vós sabeis: não fechei os meus lábios!

R: Eu disse: "Eis que venho, Senhor!" Com prazer faço a vossa vontade.

 

2ª Leitura: 1º Cor 6,13-15.17-20


- Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios: Irmãos: 13cO corpo não é para a imoralidade, mas para o Senhor, e o Senhor é para o corpo; 14e Deus, que ressuscitou o Senhor, nos ressuscitará também a nós, pelo seu poder. 15aPorventura ignorais que vossos corpos são membros de Cristo?

17Quem adere ao Senhor torna-se com ele um só espírito. 18Fugi da imoralidade. Em geral, qualquer pecado que uma pessoa venha a cometer fica fora do seu corpo. Mas o fornicador peca contra seu próprio corpo. 19Ou ignorais que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que mora em vós e que vos é dado por Deus? E, portanto, ignorais também que vós não pertenceis a vós mesmos? 20De fato, fostes comprados, e por preço muito alto. Então, glorificai a Deus com o vosso corpo.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Aclamação ao santo Evangelho.

 

- Aleluia, aleluia, aleluia.

- Aleluia, aleluia, aleluia.

- Encontramos o Messias, Jesus Cristo, de graça e verdade ele é pleno; de sua imensa riqueza graças, sem fim, recebemos (Jo 1,41.17).

- Aleluia, aleluia, aleluia.

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 1, 35-42

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João.

- Glória a vós, Senhor!

- Naquele tempo, 35João estava de novo com dois de seus discípulos 36e, vendo Jesus passar, disse: "Eis o Cordeiro de Deus!" 37Ouvindo essas palavras, os dois discípulos seguiram Jesus. 38Voltando-se para eles e vendo que o estavam seguindo, Jesus perguntou: "O que estais procurando?" Eles disseram: "Rabi (que quer dizer: Mestre), onde moras?" 39Jesus respondeu: "Vinde ver". Foram pois ver onde ele morava e, nesse dia, permaneceram com ele. Era por volta das quatro da tarde. 40André, irmão de Simão Pedro, era um dos dois que ouviram a palavra de João e seguiram Jesus. 41Ele foi encontrar primeiro seu irmão Simão e lhe disse: "Encontramos o Messias" (que quer dizer: Cristo). 42Então André conduziu Simão a Jesus. Jesus olhou bem para ele e disse: "Tu és Simão, filho de João; tu serás chamado Cefas" (que quer dizer: Pedra).

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

  

Liturgia comentada
Olhando-o fixamente... (Jo 1,35-42)

Este Evangelho narra – com admirável economia de detalhes – o encontro dos primeiros discípulos com Jesus de Nazaré. Foi André quem conduziu Simão, seu irmão, até Jesus. Bastou olhar para ele, e Jesus define a missão do velho pescador: “Tu serás Khefas, a pedra, a rocha”...

A “isca” utilizada por André para atrair Simão foi o anúncio inesperado: “Encontramos o Messias!” Tratava-se do Ungido de Deus, anunciado pelos antigos profetas, há muitos séculos esperado pelo povo de Israel. Obviamente, os pescadores de Cafarnaum não andavam em busca do Messias, mas à procura de peixes no Lago de Genesaré, tantas vezes estéril e indiferente ao esforço deles. Logo, trata-se de um encontro inesperado, pura graça...

O verbo grego empregado pelo evangelista João é “emblépsas”, que expressa um “olhar fixo”, isto é, uma mirada profunda, perscrutadora, que lê o profundo do ser. Ali, Jesus “lia” a alma de Simão Pedro e reconhecia nele o futuro líder dos Doze. É o que comenta o mestre espiritual André Scrima:

“Acontece um encontro mais pessoal, um encontro profundo que causa a mutação da vida, do ser e do nome. ‘Jesus o olhou.’ Ele penetrou na intimidade da alma de Pedro, em suas profundezas. De agora em diante, Pedro tornou-se apostolo e mudou seu nome, sua vida e seu ser.

O ‘nome novo’ de que fala o Apocalipse (2,17), o nome secreto que ‘homem algum conhece, exceto quem o recebe’, escrito em uma pedrinha branca. Este seixo (a pedra) é a fé firme, e sua profissão ao modo da profissão de Pedro. Pelo batismo, nós recebemos toda esta fé e esta pedrinha branca, assim como o nome novo, através da profissão de fé em Cristo.

“Assim, nós devemos mudar nossa vida e assumir nosso novo nome, assumir nosso chamado, o chamado que Deus nos dirige, a fim de que nos tornemos brancos, puros, luminosos.”

Este encontro às margens do Lago traça para eles uma linha divisória: até aqui, pescadores de peixes; doravante, pescadores de homens (cf. Mc 1,17). Eis a evidência registrada ao longo da História: é impossível encontrar-se com Jesus Cristo sem iniciar uma reviravolta em nossa vida. A experiência pessoal de Jesus Cristo é o ponto de partida para a santidade, para a descoberta do sentido da vida, como ocorreu com Saulo, com Francisco, com Inácio. Como precisa ocorrer com cada um de nós...

Orai sem cessar: “Olhai para mim e sereis salvos!” (Is 45,22)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos