L Liturgia

Liturgia de 12 de dezembro de 2018

QUARTA FEIRA - NOSSA SENHORA DE GUADALUPE - PADROEIRA DA AMÉRICA LATINA
 (branco, glória, prefácio de Maria - ofício da festa)

 

Antífona da entrada

- Alegremo-nos todos no Senhor, celebrando a festa de Nossa Senhora de Guadalupe; conosco alegram-se anjos e glorificam o Filho de Deus.

Oração do dia

- Ó Deus, que nos destes a santa virgem Maria para amparar-nos como mãe solícita, concedei aos povos da América Latina, que hoje se alegram com sua proteção, crescer constantemente na fé e alcançar o desejado progresso no caminho da justiça e da paz. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Gl 4, 4-7


- Leitura da carta de são Paulo aos Gálatas - Irmãos, 4quando se completou o tempo previsto, Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sujeito à Lei, 5a fim de resgatar os que eram sujeitos à Lei e para que todos recebêssemos a filiação adotiva. 6E porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama: Abá - ó Pai! 7Assim, já não és mais escravo, mas filho; e se és filho, és também herdeiro: tudo isso, por graça de Deus.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial Sl 96, 1-2a.2b-3.10 (R: 3a)

 

- Manifestai a sua glória entre as nações.

R: Manifestai a sua glória entre as nações.

 

- Cantai ao Senhor Deus um canto novo, cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! Cantai e bendizei seu Santo nome.

R: Manifestai a sua glória entre as nações.

 

- Dia após dia anunciai sua salvação, manifestai a sua glória entre as nações, e entre os povos do universo seus prodígios!

R: Manifestai a sua glória entre as nações.

 

- Publicai entre as nações: "Reina o Senhor! Ele firmou o universo inabalável, e os povos ele julga com justiça".

R: Manifestai a sua glória entre as nações.

 

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

- Maria, alegra-te, ó cheia de graça, o Senhor é contigo; és bendita entre todas as mulheres da terra! (Lc 1,28)

 Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 1, 39-47

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas

- Glória a vós, Senhor!

 

- 39Naqueles dias Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judéia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou em seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Com um grande grito, exclamou: "Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu". 46Então Maria disse: "A minha alma engrandece o Senhor, 47e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador".

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Liturgia comentada
O fruto de teu ventre... (Lc 1,39-47)

Este é o Evangelho da Visitação de Maria a sua parenta Isabel, aquela idosa estéril que Deus fez mãe de João Batista. Esta gravidez humanamente impossível fora exatamente o “sinal” dado pelo anjo Gabriel a Maria de Nazaré no momento da Anunciação, como uma espécie de apoio para o ato de fé da jovem hebreia.

E é dos lábios de Isabel, intimamente instruída pelo Espírito Santo (cf. Lc 1,41-42), que Maria ouve a saudação – os gregos a chamam de “aspasmós” – que repetimos cada vez que rezamos uma Ave-Maria: “Bendito é o fruto de teu ventre!” A chegada de Maria não só traz o Espírito para Isabel e João Batista, como dá ocasião ao louvor dirigido a Jesus, que ela transporta: ele é bendito.

Como observa Urs von Balthasar, não é Maria que dá a conhecer sua gravidez a Isabel, pois a jovem noiva se manterá em silêncio até mesmo para seu noivo José, ciosa do segredo divino. É o Espírito Santo que faz “pular de alegria” no seio de Isabel o pequeno João Batista. Maravilhosa encruzilhada da Primeira Aliança (Isabel, mãe do Precursor) com a Nova Aliança (Maria, mãe do Messias prometido)!

Comenta von Balthasar: “Se o Batista não saberia, de início, quem é o maior que vem depois dele (“eu não o conhecia” – Jo 1,33), entretanto ele já foi santificado por esse maior nas entranhas maternas e escolhido como Precursor. Por extensão, podemos dizer: em vista do cumprimento da promessa, em vista do Cristo, todo o Antigo Testamento está destinado a ser o precursor, de tal modo que ele só adquire sua plenitude ao ser desdobrado a partir de Cristo”.

De fato, os homens da Primeira Aliança tinham apenas uma pálida imagem daquilo que esperavam como salvação nas sombras do futuro. Isabel, ao contrário – comenta o mesmo teólogo -, cheia do Espírito Santo, tal como seu filho, sabe-o com exatidão. E desde então ela pode saudar a mulher que se apresenta diante dela como aquela que possuiu a fé perfeita, a ponto de Deus poder levar sua longa promessa até seu cumprimento.

A primeira eleição de Deus em relação a Maria – sua escolha como cooperadora da Encarnação – manifesta-se continuamente ao longo da história humana. Depois de ter sido o primeiro “canal” para a vinda do Salvador, Maria continua a serviço do Senhor para fazer contatos com todos os povos, seja no México, na França ou em Portugal. Maria nos põe em contato com Deus...

Orai sem cessar: “Meu fruto é melhor do que o ouro fino!” (Pr 8,19)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos