L Liturgia

Liturgia de 10 de agosto de 2018

SEXTA FEIRA – SÃO LOURENÇO – DIÁCONO E MÁRTIR
(Vermelho, glória, pref. dos mártires – ofício da festa)

Antífona da entrada

- São Lourenço entregou-se a si mesmo ao serviço da Igreja. Foi digno de sofrer o martírio e de subir com alegria para junto do Senhor Jesus.  (Sl 73,20.19.22).

 

Oração do dia

 

-  Ó Deus, o vosso diácono Lourenço, inflamado de amor por vós, brilhou pela fidelidade no vosso serviço e pela glória do martírio; concedei-nos amar o que ele amou e praticar o que ensinou. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: 2Cor 9,6-10

 

- Leitura da segunda carta de são Paulo aos Coríntios: Irmãos, 6“Quem semeia pouco colherá também pouco e quem semeia com largueza colherá também com largueza”. 7Dê cada um conforme tiver decidido em seu coração, sem pesar nem constrangimento; pois Deus “ama quem dá com alegria”.
8Deus é poderoso para vos cumular de toda sorte de graças, para que, em tudo, tenhais sempre o necessário e ainda tenhais de sobra para toda obra boa, 9como está escrito: “Distribuiu generosamente, deu aos pobres; a sua justiça permanece para sempre”. 10Aquele que dá a semente ao semeador e lhe dará o pão como alimento, ele mesmo multiplicará as vossas sementes e aumentará os frutos da vossa justiça.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 112,1-2.5-6.7-8.9 (R: 5a)

 

- Feliz o homem caridoso e prestativo!

R: Feliz o homem caridoso e prestativo


- Feliz o homem que respeita o Senhor e que ama com carinho sua lei! Sua descendência será forte sobre a terra, abençoada a geração dos homens retos!

R: Feliz o homem caridoso e prestativo!


- Feliz o homem caridoso e prestativo, que resolve seus negócios com justiça. Porque jamais vacilará o homem reto, sua lembrança permanece eternamente!

R: Feliz o homem caridoso e prestativo!


- Ele não teme receber notícias más: confiando em Deus, seu coração está seguro. Seu coração está tranquilo e nada teme, e confusos há de ver seus inimigos.

R: Feliz o homem caridoso e prestativo!


- Ele reparte com os pobres os seus bens, permanece para sempre o bem que fez, e crescerão a sua glória e seu poder.

R: Feliz o homem caridoso e prestativo!

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Aquele que me segue não caminha entre as trevas, mas terá a luz da vida (Jo 8,12).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 12,24-26

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João

- Glória a vós, Senhor!   

 

- Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: 24“Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo que cai na terra não morre, ele continua só um grão de trigo; mas se morre, então produz muito fruto. 25Quem se apega à sua vida, perde-a; mas quem faz pouca conta de sua vida neste mundo conservá-la-á para a vida eterna. 26Se alguém me quer servir, siga-me, e onde eu estou estará também o meu servo. Se alguém me serve, meu Pai o honrará”.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

Liturgia comentada
Se o grão de trigo morrer, dá muito fruto... (Jo 12,24-26)

Muitas vezes, em seus ensinamentos, Jesus se utiliza de contrastes violentos. Entre eles, repetem-se as antíteses viver X morrer, ganhar X perder. O Mestre de Nazaré diz certas coisas que ficam atravessadas na goela do mundo pagão: “Quem quiser ser o primeiro, seja o último”. “Quem perde, ganha”. “De que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro se vem a perder a sua alma?”

Hoje, quando a Liturgia celebra S. Lourenço, um diácono que deu a vida por sua fé, a Igreja nos recorda a imagem do grão de trigo. Nele, pulsa um mistério. Nasceu e cresceu em uma espiga de ouro, sob o calor de muitos sóis, embalado pelo vento musical. Pode ser armazenado, e ficará estéril. Ou pode ser lançado à terra e, morrendo, dar início a um novo ciclo de vida, multiplicando-se em novas espigas.

Morrer para viver. Morrer para gerar novas vidas. Abraçar a cruz, aceitar a dor, assumir compromissos cansativos para que outros venham a nascer para a vida que não passa...

De fato, toda obra humana se realiza à custa de sacrifícios, labores e cansaços. Há industriais que se matam para ganhar dinheiro e fazer fortuna. Muitos políticos se sacrificam para construir um império de poder. Quantos artistas atravessam o planeta em todos os quadrantes para ganhar a fama, recebendo aplausos de um público que os idolatra! Dinheiro, poder e glória humana parecem dar razão a seus esforços. Todos eles são apontados como heróis que chegaram ao sucesso...

Mas o tempo passa, implacável... A traça rói os tesouros acumulados, os impérios caem por terra e novos ídolos destronam os antigos. Ao fim da existência, fica apenas o gosto amargo de uma conquista efêmera. Mãos vazias, corações vazios, a alma vazia. Nada que nos possa acompanhar até a eternidade.

Será que não somos capazes de um sacrifício semelhante por valores que o tempo não nos poderá roubar? Não teremos coragem de trabalhar sério para educar os filhos no amor e na fé? Não teremos ânimo de estender por todo o planeta uma rede de evangelização que seja portadora da esperança para as novas gerações? Não teremos a ousadia de contrapor ao mundo consumista uma vida simples e sóbria, fraterna e solidária, comprometida com os deserdados do sistema?

Que grão de trigo queremos ser?

Orai sem cessar: “Graças a mim é que produzes fruto.” (Os 14,8b)
Texto de  Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos