L Liturgia

Liturgia de 13 de julho de 2018

SEXTA FEIRA – XIV SEMANA COMUM
(verde– Ofício do dia)

Antífona da entrada

 

- Recebemos, ó Deus, a vossa misericórdia no meio do vosso templo. Vosso louvor se estenda, com o vosso nome, até os confins da terra; toda justiça se encontra em vossas mãos. (Sl 47,10)

Oração do dia

 

- Ó Deus, que pela humilhação do vosso Filho, reerguestes o Mundo decaído, enchei os vossos filhos e filhas de santa alegria e daí aos que libertastes da escravidão do pecado o gozo das alegrias eternas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Os 14, 2-10

- Leitura da Profecia de Oséias: Assim fala o Senhor: 2Volta, Israel, para o Senhor, teu Deus, porque estavas caído em teu pecado. 3Vós todos, encontrai palavras e voltai para o Senhor; dizei-lhe: “Livra-nos de todo o mal e aceita este bem que oferecemos; o fruto de nossos lábios. 4A Assíria não nos salvará; não queremos montar nossos cavalos, não chamaremos mais ‘Deuses nossos’ a produtos de nossas mãos; em ti encontrará o órfão misericórdia”. 5“Hei de curar sua perversidade e me será fácil amá-los, deles afastou-se a minha cólera. 6Serei como orvalho para Israel; ele florescerá como o lírio e lançará raízes como plantas do Líbano. 7Seus ramos hão de estender-se; será seu esplendor como o da oliveira, e seu perfume como o do Líbano. 8Voltarão a sentar-se à minha sombra e a cultivar o trigo, e florescerão com a videira, cuja fama se iguala à do vinho do Líbano. 9Que tem ainda Efraim a ver com ídolos? Sou eu que o atendo e que olho por ele. Sou como o cipreste sempre verde: de mim procede o teu fruto. 10Compreenda estas palavras o homem sábio, reflita sobre elas o bom entendedor! São retos os caminhos do Senhor e, por eles, andarão os justos, enquanto os maus ali tropeçam e caem”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 51,3-4.8-9.12-13.14.17 (R: 17b)

 

- Minha boca anunciará o vosso louvor!
R: Minha boca anunciará o vosso louvor!


- Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! Na imensidão de vosso amor, purificai-me! Lavai-me todo inteiro do pecado, e apagai completamente a minha culpa!

R: Minha boca anunciará o vosso louvor!


- Mas vós amais os corações que são sinceros, na intimidade me ensinais sabedoria. Aspergi-me e serei puro do pecado, e mais branco do que a neve ficarei.

R: Minha boca anunciará o vosso louvor!


- Criai em mim um coração que seja puro, dai-me de novo um espírito decidido. Ó Senhor, não me afasteis de vossa face, nem retireis de mim o vosso Santo Espírito!

R: Minha boca anunciará o vosso louvor!


- Dai-me de novo a alegria de ser salvo e confirmai-me com espírito generoso!

Abri meus lábios, ó Senhor, para cantar, e minha boca anunciará vosso louvor!

R: Minha boca anunciará o vosso louvor!



Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Quando o paráclito vier, o Espírito da verdade, ele vos conduzirá a toda a verdade, lembrar-vos-á de tudo o que eu tenho falado  (Jo 16,13; 14,26).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 10,16-23

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

- Glória a vós, Senhor!   

 

- Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 16“Eis que eu vos envio como ovelhas no meio de lobos. Sede, portanto, prudentes como as serpentes e simples como as pombas. 17Cuidado com os homens, porque eles vos entregarão aos tribunais e vos açoitarão nas suas sinagogas. 18Vós sereis levados diante de governadores e reis, por minha causa, para dar testemunho diante deles e das nações. 19Quando vos entregarem, não fiqueis preocupados como falar ou o que dizer. Então naquele momento vos será indicado o que deveis dizer. 20Com efeito, não sereis vós que havereis de falar, mas sim o Espírito do vosso Pai é que falará através de vós. 21O irmão entregará à morte o próprio irmão; o pai entregará o filho; os filhos se levantarão contra seus pais, e os matarão. 22Vós sereis odiados por todos, por causa de meu nome. Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo. 23Quando vos perseguirem numa cidade, fugi para outra. Em verdade vos digo, vós não aca­bareis de percorrer as cidades de Israel, antes que venha o Filho do Homem.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!   

 

Liturgia comentada
Sereis odiados... (Mt 10,16-23)

É dura esta advertência do Senhor! Então, nós aderimos a Jesus Cristo, acolhemos o Messias e – exatamente por isso – nos tornamos o alvo preferencial dos poderosos?!

Sim. Exatamente isto. E não devia ser difícil de compreender. Se Jesus se apresenta como o único Senhor, não podemos dar a César o que cabe a Cristo. Aliás, o próprio César pertence a Cristo, ainda que César não o saiba ou não o queira aceitar... E o simples fato de proclamar que “Jesus é o único Senhor” nos transforma em ameaças vivas aos poderes deste mundo, que não podem tolerar em nós uma liberdade tão ampla e profunda que nos deixa dispostos a morrer por Cristo, tal como a imensa legião dos mártires que se opuseram ao nazismo de Hitler e ao comunismo de Stálin.

Há uma oposição radical entre o “príncipe” deste mundo e o Reino de Cristo. O mundo quer acumular riquezas, enquanto o Cristo é pobre. O mundo persegue a fama, enquanto Cristo lava os pés de seus apóstolos. O mundo anseia por prazeres sem conta, enquanto Cristo abraça a sua cruz e sobe o Calvário.

Historicamente, quando se forma um império sedento de poder e dominação, a figura de Cristo e seus seguidores sofrem implacável perseguição. Mesmo em nossos tempos, os valores morais do cristianismo são considerados como freio indesejável à expansão de poderosos grupos econômicos interessados em ganhar dinheiro com a exploração de homens e mulheres, ainda que as motivações por eles confessadas sejam de outra ordem, como o combate a epidemias, o equilíbrio ambiental e a ordem social.

Não admira que, aos olhos do mundo, Jesus Cristo apareça como um perdedor, um derrotado, objeto de terrível anátema social. Escândalo para os judeus, loucura para os pagãos, diz Paulo aos cristãos de Corinto. Não admira que, ainda hoje, um jovem possa hesitar no seguimento de Jesus, considerando que deverá sofrer “prejuízos” para segui-lo.

E é o próprio Paulo quem nos fala de sua opção radical pelo Senhor Jesus: “Mas tudo isso, que para mim eram vantagens, considerei perda por Cristo. Na verdade, julgo como perda todas as coisas, em comparação com esse bem supremo: o conhecimento de Jesus Cristo, meu Senhor. Por ele, tudo desprezei e tenho em conta de esterco, a fim de ganhar Cristo e estar com Ele”. (Fl 3,7-9a)

Orai sem cessar: “Senhor, teus inimigos perecerão!” (Sl 92,10)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos