L Liturgia

Liturgia de 14 de junho de 2018

QUINTA FEIRA – X SEMANA COMUM
(Verde - ofício do dia)

Antífona da entrada

 

-  O Senhor é minha luz e salvação, a quem poderia eu temer? O Senhor é o baluarte de minha vida, perante quem temerei? Meus opressores e inimigos, são eles que vacilam e sucumbem (Sl 26,1)

Oração do dia

 

- Ó Deus, fonte de todo bem, atendei ao nosso apelo e fazei-nos, por vossa inspiração, pensar o que é certo e realizá-lo com vossa ajuda. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: 1 Rs 18,41-46

- Leitura do Primeiro Livro dos Reis: Naqueles dias, 41Elias disse a Acab: “Sobe, come e bebe, porque já ouço o ruído de muita chuva”. 42Enquanto Acab subia para comer e beber, Elias subiu ao cume do Carmelo, prostrou-se por terra e pôs o rosto entre os joelhos. 43E disse ao seu servo: “Sobe e observa na direção do mar”. Ele subiu, observou e disse: “Não há nada”. Elias disse-lhe de novo: “Volta sete vezes”. 44À sétima vez o servo disse: “Eis que sobe do mar uma nuvem, pequena como a mão de um homem”. Então Elias disse-lhe: “Vai dizer a Acab que prepare o carro e desça, para que a chuva não o detenha”. 45Nesse meio tempo, o céu cobriu-se de nuvens escuras, soprou o vento e a chuva caiu torrencialmente. Acab subiu para o seu carro e partiu para Jezrael. 46A mão do Senhor esteve sobre Elias; e ele, cingindo os rins, correu adiante de Acab até a entrada de Jezrael.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial: Sl 65, 10abcd.10e-11.12-13 (R: 2a)

 

- Ó Senhor, que o povo vos louve em Sião!

R: Ó Senhor, que o povo vos louve em Sião!


- Visitais a nossa terra com as chuvas, e transborda de fartura. Rios de Deus que vêm do céu derramam águas, e preparais o nosso trigo.

R: Ó Senhor, que o povo vos louve em Sião!


- É assim que preparais a nossa terra: vós a regais e aplainais, os seus sulcos com a chuva amoleceis e abençoais as sementeiras.

R: Ó Senhor, que o povo vos louve em Sião!


- O ano todo coroais com vossos dons, os vossos passos são fecundos; transborda a fartura onde passais. Brotam pastos no deserto, as colinas se enfeitam de alegria.

R: Ó Senhor, que o povo vos louve em Sião!

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

- Eu vos dou novo preceito: que uns aos outros vos ameis, como eu vos tenho amado! (Jo 13,14)

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 5, 20-26

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus.

- Glória a vós, Senhor!  

 

- Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 20“Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da Lei e dos fariseus, vós não entrareis no Reino dos Céus. 21Vós ouvistes o que foi dito aos antigos: ‘Não matarás! Quem matar será condenado pelo tribunal’.  22Eu, porém, vos digo: todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo; quem disser ao seu irmão: ‘patife!’ será condenado pelo tribunal; quem chamar o irmão de ‘tolo’ será condenado ao fogo do inferno. 23Portanto, quando tu estiveres levando a tua oferta para o altar, e ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, 24deixa a tua oferta ali diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão. Só então vai apresentar a tua oferta. 25Procura reconciliar-te com teu adversário, enquanto caminha contigo para o tribunal. Senão o adversário te entregará ao juiz, o juiz te entregará ao oficial de justiça, e tu serás jogado na prisão. 26Em verdade eu te digo: dali não sairás, enquanto não pagares o último centavo”.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

 

Liturgia comentada
Não matarás! (Mt 5,20-26)

Não somos salvos pelo mérito de nossas obras exteriores. A “justiça” dos fariseus, verberados por Jesus, consistia tão-somente em observar a Lei em seus mínimos detalhes, de modo a “merecer” a salvação, mas seu interior não correspondia às aparências externas. Como disse o poeta, pode haver grande distância entre intenção e gesto. Deus observa o coração do homem e conhece suas artimanhas...

No Evangelho de hoje, Jesus exemplifica esta contradição das atitufes humanas com o 5º mandamento: “Não matarás!” E mostra que pode haver uma gradação, uma espécie de “escada do ódio”, com vários degraus. Irar-se contra o irmão, chamá-lo de imbecil (raca, entre os semitas) ou de doido, são formas civilizadas de “matar”. Parecem pecados menos graves, mas o ódio é o mesmo!

No dia-a-dia, nossos relacionamentos oferecem seguidas oportunidades de amar. São situações que se abrem ao perdão, à compreensão, à paciência, mas podem derivar para a condenação, a rejeição, a agressividade. Uma pessoa honesta e educada pode conter-se e evitar reações explosivas ou ofensivas, mas, ao mesmo tempo, alimentar no coração projetos de vingança, desejar prejuízos para os outros e, mesmo, alegrar-se com seus insucessos. Apesar da honestidade exterior e da polidez aparente, o ódio mortal corre pelas artérias...

Um caso concreto da atualidade é a reação das pessoas diante dos imigrantes provenientes de países em crise econômica, ambiental ou política. O cristão não pode vê-los como “invasores”, mas como irmãos à espera de acolhida e auxílio. Por isso mesmo, o episcopado tem exortado os católicos a demonstrarem a caridade cristã para com eles.

Há muitas formas de matar. Mata quem calunia o justo, quem joga lama na reputação dos outros, quem propagam escândalos com requintes de sadismo. Mata-se ao sabotar o trabalho dos companheiros, ao negar o reconhecimento a seus esforços, ao pagar salário de fome aos empregados. Pode-se matar semeando dúvidas sobre questões de fé, incentivando a revolta contra Deus e a Igreja, oferecendo ocasiões de pecado aos que convivem conosco. Matamos pelo mau exemplo, pela má palavra, pelo mau conselho. Matamos por omissão diante daquele a quem podíamos ajudar.

Sentimentos, palavras e atos: três degraus para amar ou odiar. Se o ódio cresce em nós, irá progredindo de silêncios para antipatias, de reservas para a formação de partidos, de acusações a campanhas de difamação, de confrontos ao assassinato. Mas o ódio é o mesmo...

Que sentimentos inspiram meus pensamentos, municiam as minhas palavras, movem as minhas ações? Ódio ou amor?

 

Orai sem cessar: “Perdoa-nos as nossas dívidas, como também perdoamos aos nossos devedores.” (Mt 6,12)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos